Você sabe o que é software livre? O que você entende por essa nominação: um programa gratuito, que possa ser distribuído e compartilhado com todos? Um programa que não tenha bloqueios ou que por ser livre é de qualidade inferior?

Apesar de muitas pessoas acreditarem, os softwares livres não correspondem a todas essas características.

O que é software livre

Existem basicamente três tipos de software: os comerciais, os proprietários e os livres.

Os softwares proprietários são aqueles cujo direitos autorais, patentes e licenciamento cabe somente a seu produtor. São os programas desenvolvidos por autores livres, sem ligação com grandes empresas, normalmente desenvolvidos para seu uso particular.

Caso ele seja disponibilizado para uso de outras pessoas, caberá ao usuário solicitar uma licença para poder copiar, utilizar, distribuir o código fonte ou redistribuí-lo. Eles podem ser pagos ou gratuitos, no entanto qualquer ação fica suscetível à permissão do proprietário (criador).

Os comerciais são os mais conhecidos e utilizados: são aqueles desenvolvidos objetivando o lucro do criador ou empresa. São aqueles que você não tem autorização para realizar modificações e deve pagar uma chave de licença para ter acesso a seu funcionamento (inclusive para utilizá-lo para fins pessoais).

Então, realmente o que é software livre?

Para ser considerado software livre, devem ser atendidas as características definidas pela Free Software Foundation (Fundação para o Software Livre). São elas:

  • Ser criado, copiado, estudado, modificado e redistribuído com algumas restrições;
  • Deve atender às necessidades do usuário;
  • O usuário tem total poder de realizar o uso ou alterações por si mesmo, de forma livre, como e quando quiser, sem a necessidade de solicitação de permissão do criador.

Devido a esse conceito de liberdade inerente ao software livre algumas pessoas se surpreendem quando necessitam realizar alguma modificação e o desenvolver solicita pagamento pela realização.

Apesar de a confusão ser comum, o conceito de software livre está relacionado à priorização da liberdade acima citada embutida no programa ao invés do lucro. Portanto, o desenvolvedor pode sim cobrar pelas modificações.o que é software livre

O mito da falta de qualidade

Muitas pessoas acreditam que por ser livre, o software não possui a mesma qualidade de um proprietário ou, principalmente, comercial.

Isso é um mito. Inclusive, devido à alta possibilidade de uso e alteração desejados os programas que fazem parte desse grupo são muito utilizados, inclusive por grandes empresas públicas e privadas, inclusive órgãos governamentais.

O próprio Governo Federal utiliza o software livre, especialmente no Ministério das Comunicações, Instituto Nacional de Tecnologia da Informação, Marinha do Brasil e até na Embrapa.

A utilização é bastante comum aos usuários pessoais e profissionais também. Um excelente exemplo de sistema operacional criado a partir da ideologia de software livre é o Linux, o concorrente da Microsoft e da Apple. Suas versões Ubuntu, Fedora e Kurumin seguem a mesma receita e princípios.

Se você costuma utilizar a internet provavelmente já ouviu falar do Mozilla Firefox, um dos mais comuns navegadores. Forte concorrente do Internet Explorer (da Microsoft), o Firefox revolucionou o acesso à internet de muitas pessoas, especialmente ao se falar em facilidade de acesso, velocidade e design simplificado (o que é fundamental para um usuário novato).

Leitura Relacionada:

Você já utilizou o Firefox? Se sim, você estava utilizando um software livre. Além dele, os compartilhadores de arquivo mais utilizados são aqueles que tem seus códigos abertos. É o caso do eMule, um exemplo bem sucedido de software livre.

Mas não para por aí: devido à grande popularização desses programas eles acabam fazendo parte do dia a dia dos usuários da internet e de outros programas também. Nem sempre você sabe que ele é livre, portanto afirmar categoricamente que eles são de qualidade inferior é um grande erro.

A longo prazo não é possível dizer se eles vão dominar ou alcançar o forte poder dos softwares comerciais, por exemplo. Mas que são uma excelente alternativa, isso é inquestionável.

COMPARTILHE

2 COMENTÁRIOS

    • Fala aí, Luis. Beleza?
      Concordo com você, também incentivo o uso de software livre.
      Claro, fique a vontade!!

DEIXE UMA RESPOSTA

um × dois =